Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

sexta-feira, 3 de abril de 2009

O G20 deve reconfigurar a globalização



01.04.2009 - 18h38 José Manuel Durão Barroso
A cimeira do G20 a realizar em Londres constitui uma oportunidade única para obter resultados que contribuam para pôr termo à actual crise financeira e económica e para evitar futuras crises. Estou confiante no êxito da cimeira. Em nome da manutenção e da criação de postos de trabalho e da prosperidade, tanto aqui, na Europa, como no resto do mundo.

Estamos a viver a primeira grande crise da era da globalização. Alguns referem-se mesmo à "crise da globalização" e por isso defendem a "desglobalização" .

Apesar de a ideia poder parecer plausível, é completamente errada. A saída para esta crise não reside na "desglobalização". O proteccionismo e o nacionalismo económico são falsos amigos que mais não fazem do que agravar a pobreza e os conflitos: foi o que aconteceu nos anos 30. A saída para esta crise reside numa "reconfiguração da globalização".

Precisamos de estabelecer um conjunto de regras globais que nos permitam regular a globalização. Só trabalhando em conjunto poderemos colocar o potencial dos mercados ao serviço dos cidadãos e fazer face a desafios globais, como as alterações climáticas, a segurança energética e a luta contra a pobreza.

As novas regras globais devem basear-se em valores e princípios éticos, respeitando e estimulando a liberdade, a responsabilidade e a solidariedade. Devem, além disso, permitir que os mercados recompensem o trabalho árduo e o espírito de iniciativa e não a mera especulação.

A União Europeia encontra-se particularmente bem posicionada para se tornar o motor desta evolução para uma globalização assente em valores e em regras. Nenhuma outra região do mundo dispõe da mesma experiência em matéria de adopção e aplicação eficaz de regras transnacionais. As nossas construções comuns - do mercado interno ao euro - têm-se revelado decisivas nos esforços de estabilização, desde que a crise começou, e constituem a melhor plataforma possível para o relançamento da economia europeia e global.



A União Europeia vai a Londres com uma mensagem comum. Tomámos em conjunto decisões rápidas e decisivas. Apresentámos um enorme pacote de estímulo: os esforços dos Estados-

-membros e da UE ascendem a mais de 400 mil milhões de euros. Coordenámos a nossa acção para estabilizar os nossos bancos. Ajudámos os Estados-membros em dificuldade, designadamente a Letónia, a Hungria e a Roménia. Concebemos um projecto global para tornar os mercados financeiros mais eficazes e mais seguros.

A Comissão propôs medidas para reforçar os requisitos de fundos próprios dos bancos, melhorar o sistema de garantia de depósitos e tornar mais exigente a regulação das agências de notação de crédito. Propusemos melhorias na supervisão transfronteiras das mais importantes instituições financeiras, incluindo a criação de um novo organismo para acompanhar a acumulação global de riscos no sistema e para tomar medidas preventivas. Nas próximas semanas, serão apresentadas novas propostas sobre os fundos especulativos (hedge funds), os capitais de investimento (private equity) e a remuneração dos administradores.

Por outro lado, ainda no contexto da luta contra a crise, os responsáveis políticos da UE acordaram, no Conselho Europeu da Primavera realizado em Bruxelas, em apoiar um aumento substancial dos recursos do Fundo Monetário Internacional, para os quais a Europa contribuirá com 75 mil milhões de euros. Esta medida acresce à duplicação já decidida para 50 mil milhões de euros do limite da assistência intracomunitária à balança de pagamentos dos Estados-membros que não integram a zona euro.

Em Londres, esforçar-nos-emos por chegar a acordo sobre as quatro questões fundamentais.

Em primeiro lugar, a adopção de um estímulo económico de grande dimensão, coordenado e sustentável, para atenuar os efeitos da crise para os nossos cidadãos e para relançar a economia real.

Será igualmente necessário restaurar a confiança no sistema financeiro. Não apenas por causa dos bancos, mas em nome dos empresários e dos trabalhadores da economia real que necessitam de crédito. Precisamos de avançar rapidamente com medidas para que os bancos voltem de novo a conceder crédito,. Tal implica pôr termo à incerteza que paira sobre a dimensão das perdas dos bancos, eliminando os activos depreciados (ditos "tóxicos") dos seus balanços. Ao mesmo tempo, devemos reforçar a supervisão a nível mundial e colmatar as lacunas existentes - nomeadamente no que diz respeito aos paraísos fiscais. É, portanto, necessária uma reforma geral das instituições financeiras internacionais.

Em terceiro lugar, devemos enviar uma mensagem forte contra todas as formas de proteccionismo, promovendo a liberalização do comércio através de progressos nas negociações de Doha.



Por fim, no que constitui talvez o aspecto mais importante, deveremos caminhar no sentido de um mundo mais justo, reforçando os nossos compromissos face aos países em desenvolvimento e tornando o FMI mais representativo. Não devem ser os países em desenvolvimento a pagar o custo de uma crise criada nos países desenvolvidos. Os países em desenvolvimento precisam de mais ajuda. A criação de um instrumento global de financiamento do comércio constitui uma das medidas propostas pela UE. Precisamos da contribuição dos países em desenvolvimento para fazer face aos desafios globais, como por exemplo as alterações climáticas. Queremos chegar a um acordo global na Conferência de Copenhaga a rea-lizar ainda este ano.

Existe já uma significativa convergência de ideias a nível global, essencialmente com os EUA. Devemos notar, com orgulho, que grande parte do consenso surgiu em torno das ideias da Europa e do modelo económico europeu. O Plano de Recuperação dos EUA, por exemplo, destaca medidas para melhorar os cuidados de saúde e proteger os mais vulneráveis, bem como o investimento a longo prazo, nomeadamente em infra-estruturas. Estas medidas já foram tomadas na maior parte da UE. Têm-se revelado benéficas não só em termos de limitação das dificuldades, como pelo facto de, em períodos de conjuntura económica desfavorável, assegurarem automaticamente um apoio à procura e à preservação do emprego.

Devido a estes "estabilizadores automáticos" que existem na Europa, qualquer comparação dos níveis de despesa entre os EUA e a UE é altamente falaciosa. É por isso que as nossas posições sobre a dimensão global do estímulo a conceder são mais próximas do que pode parecer à primeira vista. Verifica-se a mesma tendência para uma convergência em relação às questões regulamentares.

Existem, portanto, já grandes áreas de consenso em vésperas do G20. O desafio consiste agora em transformá-las em medidas concretas para corrigir a actual situação. A Europa estará à altura deste desafio e estamos confiantes de que o mesmo acontecerá com os nossos parceiros. Gostaria de assegurar aos cidadãos europeus que as suas preocupações se encontram no cerne das nossas discussões e do que virá a ser decidido. Estou consciente de que muitas pessoas temem pelo seu emprego, pelo seu empréstimo hipotecário ou pelas suas poupanças. A minha preocupação principal nesta fase consiste em assegurar que tudo o que fazemos contribui para melhorar a situação do emprego. Se conseguirmos transformar, na próxima quinta-feira em Londres, as nossas boas intenções em acções conjuntas, daremos resposta às legítimas expectativas dos nossos cidadãos.

Presidente da Comissão Europeia
Fonte:Publico

Sem comentários: