Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Paul Krugman: crise financeira poderá ir além de 2011


Paul Krugman: crise financeira poderá ir além de 2011
Prémio Nobel da Economia 2008
08.12.2008 - 19h43
Por Lusa


O mundo corre o risco de sofrer pelo menos durante os próximos três anos o efeito da turbulência financeira, declarou hoje o Prémio Nobel da Economia 2008, o norte-americano Paul Krugman."

É admissível que a economia mundial se continue a contrair (...) mesmo para além de 2011", alertou, numa conferência de imprensa dada em Estocolmo.

"Temo que se repita a escala mundial o que aconteceu ao Japão nos anos 90 (...) e a economia continue sem dar sinais de retoma durante um período muito longo", advertiu o professor da Universidade de Princeton.

Acerca dos Estados Unidos, o laureado corrigiu, por insuficiente, uma opinião anteriormente por si expressa, de que um plano para o relançamento da economia equivalente a quatro por cento do Produto Interno Bruto (PIB) seria suficiente para 2009.

De acordo com Krugman, a percentagem anunciada será "modesta" afinal tendo em conta a "amplitude do buraco a preencher".

"Não evita a debilitação da economia, só contribui para travar uma queda brutal", indicou. Relativamente ao mercado imobiliário, não escondeu que "poderá ainda cair 10 a 15 por cento", segundo as estimativas mais recentes.

O galardoado frisou que Washington não hesitará em aumentar as despesas em infra-estruturas, mesma agravando o défice orçamental a curto prazo: "O défice norte-americano será provavelmente de sete a oito por cento do PIB em 2009", disse.

"Isto não se pode fazer indefinidamente, porque o relançamento massivo da economia e da dívida é comportável durante dois anos, mas para além disso constituirá motivo de preocupação", acentuou.

Paul Krugman receberá na quarta-feira das mãos do monarca sueco o prestigiado prémio: uma medalha, um diploma e um cheque de quase um milhão de euros.

Sem comentários: