Horizontal List

PM Rui Araujo
Investir no futuro de Timor-Leste
FUTURO
Timor-Leste acolheu a mais recente reunião trilateral da plataforma para o Desenvolvimento Económico Sub-Regional Integrado entre Timor-Leste, Indonésia e Austrália

Ai-han Timor Nian
Ramos-Horta
"Tantangan Timor Leste Makin Berat"
ECONOMIA
"..fo-hanoin ba ukun nain sira nebe tinan tinan truka hela deit ministrus, atu hare ba povu nia moris nebe "kuaze 50%" povu sei moris iha linha pobreza nia laran..."
Australia-Timor Leste
Notre Dame students experience the world and help those in need in Timor-Leste
Empresários - Timor Telecom
Empresários timorenses e fundo das Fiji na corrida pela Timor Telecom
Timor-Leste - BAII
Timor-Leste inicia processo de adesão ao Banco Asiático de Investimento em Infraestruturas
Timor-Leste - Maluku
Maluku kaji kerja sama dengan Timor Leste

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Comércio entre China e países de língua portuguesa deve superar neste ano meta de 2009


Macau, China, 08 Set - A meta de US$ 50 bilhões para o fluxo comercial (exportações e importações) entre a China e os países de língua portuguesa, inicialmente prevista para 2009, deve ser superada já neste ano, resultado de um aumento recorde no primeiro semestre.

Nos seis primeiros meses deste ano, o fluxo comercial entre os oito países de língua portuguesa e a China aumentou 91,5%, para US$ 36,10 bilhões, com destaque para Angola e Brasil.

O aumento representa uma aceleração em relação ao ritmo de crescimento das trocas entre a China e os países lusófonos, então da ordem de 30% ao ano.

Em relação aos seis primeiros meses de 2007, as exportações da China aumentaram 79,9% para US$ 10,74 bilhões, enquanto as importações chinesas chegaram a US$ 25,37 bilhões, um aumento de 96,9%.Até Junho deste ano, o Brasil manteve-se como o principal parceiro comercial da China entre os países lusófonos, com trocas totais de US$ 21,42 bilhões, um aumento de 78,4% face ao período homólogo de 2007.

A China já é o segundo maior parceiro comercial do Brasil, atrás apenas dos Estados Unidos, e o mercado brasileiro é o maior destino dos bens e serviços chineses na América Latina.

A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (APEX) prevê que o comércio entre os dois países vai dobrar, nos próximos cinco anos, com destaque para matérias-primas brasileiras e bens de consumo chineses.

Nos seis primeiros meses deste ano, entretanto, o maior aumento nas trocas comerciais entre a China e os países lusófonos, foi registrado com Angola, um crescimento de 137% para US$ 13,35 bilhões.As exportações da China cresceram 130,3% para US$ 1,17 bilhão, enquanto as importações chinesas de Angola somaram US$ 12,18 bilhões, um aumento de 137,8%, no período em análise.

A exportação angolana para a China é basicamente petróleo, enquanto as exportações chinesas variam entre materiais de construção, máquinas, automóveis e bens de consumo.Entre 2003 e 2006, o fluxo comercial entre a China e os países lusófonos mais que triplicou para um total US$ 34 bilhões.

No ano passado, o aumento das trocas comerciais foi de 46,9% em relação a 2006.O crescimento do fluxo comercial é resultado do aumento da importação e da exportação de bens e serviços, mas também da alta dos preços das matérias-primas.

O aumento deverá superar já este ano a meta de US$ 50 bilhões, inicialmente prevista para 2009, para o fluxo comercial entre a China e os países lusófonos.

Entre os demais países lusófonos, destaca-se no primeiro semestre o aumento das trocas comerciais com São Tomé e Príncipe (97,4%) e Moçambique (35,1%).

Foram principalmente as exportações da China que aumentaram nas trocas com São Tomé (94,3% para US$ 860 mil) e também com Moçambique (59,8% para US$ 105,08 milhões).

Nas trocas com a Guiné-Bissau, as importações da China aumentaram 368,3% para US$ 690 mil.

Portugal manteve-se como o terceiro maior parceiro comercial chinês entre os países lusófonos, com um aumento das exportações da China de 18% e uma queda das importações de 33,3%.No total, as trocas sino-portuguesas atingiram US$ 1,15 bilhão, um aumento de 6,7% no período em análise.

Menos favorável foi a evolução das transações com Cabo Verde (queda de 3,4%) e principalmente com Timor Leste (queda de 43,1%).No caso cabo-verdiano, as trocas não passaram de US$ 7,47 milhões e no timorense dos US$ 2,93 milhões - em ambos os casos praticamente exportações chinesas.

Fonte: www.macauhub.com.mo/

Sem comentários: